Aqui vou publicar os meus receios, as minhas angustias, as minhas aventuras neste pequeno planeta...

19
Mar 08

 

Acabei de chegar da minha caminhada.

Fui como é hábito com a minha mãe e a minha prima.

Saimos ás oito e meia.

A noite caia já...

O frio apertava.

A minha prima a meio do percurso quis voltar para casa, não quis subir uma ladeira .

Tivemos de voltar para trás...e levá-la a casa.

Sim, brinquei com ela...

Ainda te roubam e dizes que a culpa é minha!

Chegámos a casa dela, e fui com a minha mãe dar mais uma volta.

Ainda era cedo...21:10 horas.

Fomos dar mais uma voltinha...

Pois é...

Na nossa frente iam duas moças.

Na boa, de mãos nos bolsos de mala ao ombro.

Atrás dois pretos com quinze ou dezasseis anos...

Parei para ver onde iam...

Eles passaram para a nossa frente...

Assim sim...pensei.

Podemos vê-los.

Mas eles iam devagar, nós acabámos por passá-los.

A minha mãe que não é a prova disse-me para cortarmos na primeira rua.

Acedi...

Ainda não tínhamos subido a rua e ouvimos gritar...

Olhei para trás, e vi um dos pretos a correr com a amal da moça.

A moça gritava histérica que lhe tinham roubado a mala.  

Para chamar a policia!

Se ela estivesse à espera da policia...estava desgraçada.

Confesso que fiquei com medo.

Disse à minha mãe para irmos embora.

A moça provavelmente foi até ao café...

É triste...

O medo assombra a nossa existência .

Não podemos sair de casa...como diz a minha mãe!

Mas e podemos ficar em casa?

Não.

Porque os ladrões entram em casa das pessoas...

A minha mãe vai recusar-se a passar por ali.

Aliás ela nem queria ir...eu é que insisti!

Bolas...parece que tudo me corre menos bem...

Realmente... 

A violência aumenta.

Já não se pode andar na rua descansadamente ás nove da noite?

Não podemos usar peças valiosas, telemóveis ou malas...

Compramos as coisas para usar e depois o medo toma conta de nós.

Enfiamos os bens numa gaveta... 

Este é o pais que temos.

Nem podemos dar uma caminhada descansada ao fim do dia.

Temos de nos fechar em casa assim que o sol desaparece?

Confesso que fui cobarde!

Podia ter voltado para trás e ter corrido atrás dos pretos.

Podia ter ajudado a rapariga.

Ou não!

Se eles tivessem uma faca que fazia?

Eles correm mais do que eu!

Não tinha qualquer chance de ser bem sucedida!

Mas fiquei furiosa comigo própria...

Fugi!

Se alguém me tivesse contado isto, eu condenaria tal atitude...

Eu meti o rabinho entre as pernas e fugi!

Sem mais palavras... 

publicado por abadia7 às 23:06
sinto-me:

Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14

16
17
22


30
31


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO